terça-feira, 29 de setembro de 2009

Desabafo!

Hoje é seu aniversário e eu realmente não gostaria de estar chateada com você da forma que estou.
Sei que eu tenho perdido a paciência com freqüência, mas às vezes fica difícil engolir algumas coisas assim, no seco.
Penso que quando um casal tem problemas eles precisam resolver isso entre eles, não dá para levar isso pro palco, incorporar o papel de vítima e expor para todo mundo. Muito menos ficar agredindo verbalmente a outra pessoa na frente de todo mundo.
Não sei e, realmente, não quero saber como está a situação de vocês como casal. Porque o importante para mim é que respeito não deve ser esquecido nunca numa relação a dois, mesmo que a briga tenha sido dura, mesmo que o outro tenha errado feio, tenha o casal 1, 5, 10 ou 50 anos de casados. Se acabar o respeito, acabou o casamento.
Vejo você reclamar da forma que minha mãe fala com você. E muitas vezes eu mesma a critico por isso, falo para ela ter mais calma, peço para ela respirar um pouquinho antes de falar, tudo para tentar amenizar.
Mas ultimamente eu tenho notado a forma que você fala com ela e, convenhamos, você não tem sido o mais gentil dos homens. Pelo contrário, parece que está se esforçando para ser desagradável, e está conseguindo. Sendo assim, não acho que você tenha direito de reclamar da forma que ela fala com você. Eu, por muito menos, já teria juntado as minhas coisas e partido em busca de paz e sossego.
Reclama que ela tem as mil e uma ocupações dela e que nunca fica com você, mas quando ela lhe convida para ir a algum lugar você sempre diz não. E não bastasse o não, fica resmungando e bombardeando o local aonde ela quer ir ou, pior, a pessoa que ela gostaria de visitar.
Eu sei que a filha aqui sou eu, e que você é o pai. Mas parece que você esqueceu o que me ensinou.
- Não quer? Diga “não, obrigado”, mas não precisa criticar e desprezar nada nem ninguém;
- Não gostou do que a pessoa disse? Deixe isso claro, mas sem palavrões, sem ofensas, por favor, isso não leva a nada – seja educado, senão você perde a razão;
- Quer que alguém faça alguma coisa para você? Basta pedir com jeito, pedir “por favor”. Não adianta ficar parado, com cara de coitado, esperando que alguém perceba o que você está querendo;
Eu sei que a vida nem sempre foi fácil para você, pai. Não foi desde o princípio. Mas agora me parece que você tem tudo o que precisa para ser feliz... Pode não ter uma vida cheia de regalias, mas, por favor, olhe os presentes que Deus lhe deu (família, saúde, trabalho). Você escapou de dois AVC’s, livrou-se de ficar com seqüelas que lhe impediriam de andar, de trabalhar. No segundo AVC, quando o médico me disse que, pela região atingida do cérebro, era quase certo que você não recuperaria os movimentos do lado esquerdo do corpo, eu fiquei muito triste, mas sabia que a gente podia canalizar essa tristeza de outra forma, e por isso não lhe falei a respeito. Menti mesmo, na cara dura, e disse que o médico garantiu que em pouco tempo você estaria trabalhando de novo. Você acreditou nisso e, em pouco mais de 15 dias, você já estava trabalhando de novo. Olhe que benção! Olhe tudo o mais que você conquistou! Se alguma coisa não está boa, vamos melhorá-la! Se precisar de apoio, você tem os seus filhos. Olhe o bom trabalho que você e a mãe fizeram com a gente!
Eu só queria ter de volta aquele pai alegre que eu tinha, carinhoso e brincalhão com todos, aberto aos amigos e familiares. Os únicos momentos em que eu o vejo alegre, carinhoso e feliz ultimamente são os momentos em que você está com o seu neto (pelo menos isso).
Mas olhe ao seu redor... Tem muito mais gente em volta! Gente que só quer ter a sua agradável companhia que parece que deixou de ser agradável há algum tempo. Eu não sei onde foi parar aquele pai alegre que eu tinha... Parece que está faltando alguém naquela casa.
Não se feche no seu mundo particular. Não tente se isolar do mundo... Não vai funcionar, posso te garantir. Seja lá o que for que está matando aquela pessoa alegre que era o meu pai, não vai funcionar. A meu ver, só vai piorar.
Eu estou bastante magoada sim, eu diria até que estou mais desiludida do que magoada. Estou tão desapontada que nem presente eu comprei para você, pai. E ainda pensei igual a gente pensa quando decide não comprar presente de aniversário para uma criança “Ele não está merecendo”.
Isso está doendo tanto em mim... e eu sei que você já percebeu. Agora, será que você pode trazer o MEU pai de volta?

4 comentários:

Renatinha disse...

Ai Anna, Que desabafo!
Sem muito a comentar, só concordar com o que vc descreveu. Se ficarmos sempre resmungando, tratando mal os outros e de costas para as coisas boas da vida, jamais vamos atrair coisas boas que nos tragam alegrias.
A pergunta deve ser: o que faz seu pai feliz? Talvez ele tenha que descobrir (sozinho) para mudar a forma de reagir para a vida...
De qualquer forma parabéns para seu pai, quem sabe agora que passou o "inferno astral" tudo não muda?
beijos, colo e ombro
Re

Ana disse...

Ai Anna... fiquei ate emocionada. Pq eu ja vi meu pai tratar minha mae igualzinho sabe, e tb ficava p da vida.
mas hj ela se foi, e tenho certeza que ele se arrepende, mesmo que nao diga.
Vc conversou com ele? Mande este post, quem sabe ele percebe o qto esta entristecendo a familia...
Bjs e força.

ANNA disse...

Meninas,
Obrigada pela compreensão.
Re, espero mesmo que, agora que passou o inferno astral, as coisas melhorem.
Ana, ainda não conversei, mas estou tentando fazer isso há alguns dias... uma hora eu consigo!
Beijos

Cláudia disse...

:(
boa sorte na conversa com seu pai, mas eu sempre penso que por trás de uma mudança tão significativa, sempre há uma forte razão.
Que muitas vezes nem mesmo nós sabemos exatamente qual é.
E talvexz o papo tenha de ser com os dois, e nao com um sozinho.
beijo