quinta-feira, 8 de outubro de 2009

As três estações

Chegou-se à conclusão que Curitiba não tem as quatro estações do ano.


Curitiba tem apenas três estações:

1. Inverno;

2. Estação ferroviária;

3. Estação tubo.

Pelamordedeus!!! Eu não aguento mais frio e chuva!

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

A verdade em letra de música

Tudo que morre
Fica vivo na lembrança
Como é difícil viver
Carregando um cemitério na cabeça
Trecho da música "Impossível" do Biquini Cavadão

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Tá com sede? Bebeu água?

Olha, olha, olha a água mineral, água mineral...

Eu estava reparando...
Aqui no nosso escritório (e talvez em outros também) todo mundo tem uma garrafinha de água em cima da mesa.
Tem aqueles que tomam água no gargalo, tem aqueles que deixam um copinho ao lado e só tomam no copo (eu faço isso).
Tem quem encha sua garrafa umas 3 ou 4 vezes por dia (eu), e tem quem usa a garrafa como peso de papel a maior parte do tempo, porque nem lembra de tomar água durante o dia.
Mas, invariavelmente, todos aqui têm uma garrafinha sobre a mesa.
E reparando um pouco mais, as garrafinhas de água em cima da mesa deixaram de ser apenas um recipiente para armazenamento temporário de água.
Hoje elas são praticamente objetos de decoração.
Sério, vocês já reparam na diversidade de formatos e cores das garrafinhas de água mineral de aproximadamente 500 ml? Sério... Tem muita variedade!
Sem contar que agora a água não é simplesmente ”água com gás” e “água sem gás”. Não, isso é passado. Agora as águas são saborizadas (laranja, limão, tangerina, maçã, etc...), são “levemente” gaseificadas. Ééééé, a coisa está sofisticada! Tanto que algumas eu não chamo nem de água, mas de refrigerante-disfarçado-de-algo-mais-saudável.
Tudo bem que a gente compra a água sofisticada, saborizada ou levemente gaseificada uma vez só, põe em cima da mesa do escritório e depois só vai reabastecendo a garrafinha com a água mineral normal, sem-gás-nem-glamour, do bebedouro da empresa mesmo.
Isso é irrelevante, o mais legal é que você fica com aquela garrafa bonitona lá em cima da sua mesa, praticamente uma escultura.
Aí, depois de uns 3 meses (ou mais, dependendo do grau de falta de higiene da pessoa), quando já começa a se formar uma camada verde no fundo da garrafinha e o povo das mesas ao redor começa a tirar sarro, a gente vai lá e compra outra para substituir.
Alguns são fiéis, e fiéis a tudo: marca, tipo, sabor, formato da garrafa. Outros são fiéis apenas ao sabor, outros apenas à cor da garrafa e outros ainda (como eu), não são fiéis a nada, hora escolhem pela garrafa, hora escolhem pelo tipo ou sabor da água, tudo depende do dia e do preço de cada uma no mercado.
A minha atual é de água mineral normal sem-gás-nem-glamour, mas é uma garrafa cor-de-rosa, toda curvilínea, cheia de arabescos e hibiscos em vários tons de rosa, assinada (assinada?) pela Priscila-Fantin (afffffe! Cada inutilidade!). Pois é, essa parte da assinatura da embalagem eu só vi agora, escrevendo esse post, senão nem tinha comprado, que coisa mais inútil!
Prefiro muito mais comprar a outra da mesma marca que também é rosa, mas em formato mais normal e que, ao comprar, ajudamos, automaticamente, o Hospital Erasto Gaertner (referência em tratamento de câncer aqui em Curitiba). Está vendo só?! A gente bebe água e faz caridade ao mesmo tempo!
Mas, como faz apenas umas duas semanas que eu comprei essa garrafa, imagino que ela deva marcar presença aqui na minha mesa por mais umas 4 semanas... ou até eu comprar uma Perrier... quem sabe?