quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Ser engenheiro é...

Tomar um RedBull às 7h30 da manhã para tentar minimizar os efeitos de muito trabalho e poucas horas dormidas!

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Natal, ahhh o Natal!!!

E todo final de ano é a mesma coisa...

NO TRABALHO:
Uma correria além do absurdo.
Reforma no escritório.
Alimentação ruim, muito ruim.
Nível de stress acima do aceitável.
Discussão entre colegas de trabalho (por causa do stress e da correria).
Amigo secreto do qual você não quer participar porque não vai ter tempo de comprar um presente e também porque corre o risco de pegar alguém com quem você não tem afinidade nenhuma, mas, seria anti-social dizer que não quer participar.
Aí vêm as duas últimas semanas de trabalho, e você trabalha o dobro para conseguir deixar tudo em ordem para sair de férias, neste período você reduz a sua saúde pela metade, dobra o stress, triplica o cansaço e reduz a sua energia a um doze avos do que seria normal.
No final destas duas semanas vêm a festa de confraternização da empresa.
Aí você come bem, bebe melhor ainda, brinda o ano que passou, revela o amigo secreto e nem se importa de não ter gostado do presente que ganhou, pois o que vale mesmo é a confraternização, todos comentam como este ano passou voando, muito mais rápido que o ano passado, abraça os colegas com quem você discutiu, pede desculpas e recebe igualmente pedidos de desculpas, prometem fazer tudo diferente no próximo ano, brindam mais umas 20 vezes, cantam no karaokê, se divertem e riem muito com qualquer bobeira (por exemplo, o karaokê - mas tudo bem, deve ser o cansaço), de pois da sétima saideira abraça todo mundo novamente e vai embora felioz da vida esperar o Natal e o Ano Novo chegarem e aí começa outra saga...

NA FAMÍLIA:
Você tem poucos dias para comprar todos os presentes.
Não tem a menor idéia do que vai comprar para cada um dos que precisa presentear.
Decide então que vai presentear apenas aqueles mais próximos, com quem tem mais afinidade.
Mas descobre que aquela tia que você quase não vê lhe comprou um presente "tão legal" e que você vai ter que retribuir para não ficar chato.
Passa pelo stress de estacionamentos lotados, voltas e mais voltas para conseguir uma vaga, shoppings abarrotados de gente mal educada, preços absurdos, vendedores mal humorados...
Promete novamente que no ano que vem você vai começar a comprar os presentes com antecedência para não passar por isso de novo, mas vai acabar deixando para a última hora como sempre por falta de tempo mesmo, não é nem por falta de organização.
Nos últimos minutos do segundo tempo você é contaminada pelo espírito natalino e resolve decorar a casa, a varanda ou pelo menos uma árvorezinha, uma guirlanda e aí sai desesperada para comprar alguma coisa e descobre que não sobrou nada muito bonito para decoração.
Então você coloca aquele velho pinheirinho, aquelas bolinhas antigas, improvisa com uns laços de fita, perde uma hora tentando desembaraçar os fios daqueles malditos pisca-piscas, troca lâmpada por lâmpada na tentativa de fazê-lo acender por total, mas ele insiste em acender apenas 3/4 das lâmpadas, dá uma ajeitada na guirlanda do ano passado, pendura na porta e espera o Natal chegar.
Na noite de Natal todo mundo esquece todas as mágoas que ficaram ao longo do ano, daquela tia que fofocou sobre a sua vida, daquele tio que ficou encarregado de comprar a cerveja para a festa e levou tudo sem gelo, ou pior, levou apenas Kaiser sem gelo, mas no final, todos se abraçam, brindam, comem demais, cantam, dançam, brindam mais um pouco e vão embora deixando toda aquela bagunça para você arrumar no dia 26.
E aí, no dia 26, Curitiba inteira desce para o litoral para encher as praias pouco estruturadas do Paraná, para aguardar o ano novo chegar...

Aí vem outra saga... esta eu conto outra hora porque eu ainda tenho muito trabalho antes de sair de férias!